MAPA ASTRAL

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

1449 REIKITERAPIA - Everton Cardoso

Esse livro foi escrito a partir da evolução da apostila do Curso de Nível 1 em REIKITERAPIA ao longo desses 11 anos como professor da técnica. Esses anos de experiência fizeram com que adotasse uma abordagem singular de fundamento empírico e me permitiram estruturar as bases para um uso técnico e profissional desta antiga Arte de Curar. Minha experiência com ambulatórios sociais iniciou em 1998 e foi até 2007. Durante 9 anos, cerca de 10.000 sessões de REIKITERAPIA foram realizadas, mais de 800 pessoas foram atendidas e mais de 300 alunos praticaram a técnica REIKI. Atualmente, como Psicoterapeuta, uso frequentemente a REIKTERAPIA em minhas sessões, bem como, essa técnica é uma das disciplinas fundamentais de meus Cursos de Formação Holística. Discorreremos sobre os conceitos fundamentais, a História do REIKI, as Linhagens, Racionalidades Médicas, Estrutura Energética, Prática, Posições, Anamnese, Exercícios e Bibliografia

REIKITERAPIA - Everton Cardoso

quinta-feira, 3 de junho de 2010

1447 O FUTURO DE UMA ILUSÃO



NÃO É SÓ FREUD QUEM QUESTIONA A NECESSIDADE DA RELIGIÃO À CIVILIZAÇÃO. ALÉM DOS REVOLUCIONÁRIOS FRANCESES E RUSSOS,
MARX, NIETZSCHE, SARTRE, COMTE,
DENTRE MUITOS FILÓSOFOS E CIENTISTAS
E INÚMEROS PENSADORES
QUESTIONAM A RELIGIÃO ATÉ MAIS QUE O CONCEITO DE DEUS
...
AFINAL, QUANTO SANGÜE FOI E É DERRAMADO EM NOME DO RELIGIOSO
...
CRISTÃOS, ISLÂMICOS, JUDEUS, BUDISTAS, HINDUÍSTAS... TODOS
COMETERAM AS MAIORES BARBÁRIES EM NOME DE SUAS CRENÇAS
...
NÃO DEFENDEMOS AQUI O ATEÍSMO
AO CONTRÁRIO, PARA FICAR CLARO
A EXISTÊNCIA DA ENERGIA UNIVERSAL CRIADORA
PARA NÓS É UM FATO ABSOLUTO
...
MAS NÃO PRECISAMOS DESSA RELIGIOSIDADE PRECONCEITUOSA E ASSASSINA, QUE AO LONGO DA HISTÓRIA FOMENTOU AS MAIORES DISCÓRDIAS E PERVERSÕES DA HUMANIDADE
...
A NOVA ERA CHEGOU
...
E COM ELA O TEMPO DA ESPIRITUALIDADE
...
ESPIRITUALIDADE COM BASE EM VALORES HUMANOS
E EM SÍMBOLOS DA PAZ, AMOR, CURA E SOLIDARIEDADE

...

SEJA BEM-VINDA A NOVA ERA

A ERA DA ESPIRITUALIDADE



namastê

1446 O FUTURO DE UMA ILUSÃO


O Futuro de uma Ilusão
Sigmund Freud
I
Quando já se viveu por muito tempo numa civilização específica e com freqüência se
tentou descobrir quais foram suas origens e ao longo de que caminho ela se
desenvolveu, fica-se às vezes tentado a voltar o olhar para outra direção e indagar
qual o destino que a espera e quais as transformações que está fadada a experimentar.
Logo, porém, se descobre que, desde o início, o valor de uma indagação desse tipo é
diminuído por diversos fatores, sobretudo pelo fato de apenas poucas pessoas
poderem abranger a atividade humana em toda a sua amplitude. A maioria das
pessoas foi obrigada a restringir-se a somente um ou a alguns de seus campos.
Entretanto, quanto menos um homem conhece a respeito do passado e do presente,
mais inseguro terá de mostrar-se seu juízo sobre o futuro. E há ainda uma outra
dificuldade: a de que precisamente num juízo desse tipo as expectativas subjetivas do
indivíduo desempenham um papel difícil de avaliar, mostrando ser dependentes de
fatores puramente pessoais de sua própria experiência, do maior ou menor otimismo
de sua atitude para com a vida, tal como lhe foi ditada por seu temperamento ou por
seu sucesso ou fracasso. Finalmente, faz-se sentir o fato curioso de que, em geral, as
pessoas experimentam seu presente de forma ingênua, por assim dizer, sem serem
capazes de fazer uma estimativa sobre seu conteúdo; têm primeiro de se colocar a
certa distância dele: isto é, o presente tem de se tornar o passado para que possa
produzir pontos de observação a partir dos quais elas julguem o futuro.
Dessa maneira, qualquer pessoa que ceda à tentação de emitir uma opinião sobre o
provável futuro de nossa civilização fará bem em se lembrar das dificuldades que
acabei de assinalar, assim como da incerteza que, de modo bastante geral, se acha
ligada a qualquer profecia. Disso decorre, no que me concerne, que devo efetuar uma
retirada apressada perante tarefa tão grande, e com rapidez buscar a pequena nesga
de território que até o presente tem reivindicado minha atenção, tão logo determinei
sua posição no esquema geral das coisas.

1445 O FUTURO DE UMA ILUSÃO


A civilização humana, expressão pela qual quero significar tudo aquilo em que a vida
humana se elevou acima de sua condição animal e difere da vida dos animais – e
desprezo ter que distinguir entre cultura e civilização –, apresenta, como sabemos,
dois aspectos ao observador. Por um lado, inclui todo o conhecimento e capacidade
que o homem adquiriu com o fim de controlar as forças da natureza e extrair a
riqueza desta para a satisfação das necessidades humanas; por outro, inclui todos os
regulamentos necessários para ajustar as relações dos homens uns com os outros e,
especialmente, a distribuição da riqueza disponível. As duas tendências da civilização
não são independentes uma da outra; em primeiro lugar, porque as relações mútuas
dos homens são profundamente influenciadas pela quantidade de satisfação instintual
que a riqueza existente torna possível; em segundo, porque, individualmente, um
homem pode, ele próprio, vir a funcionar como riqueza em relação a outro homem, na
medida em que a outra pessoa faz uso de sua capacidade de trabalho ou o escolha
como objeto sexual; em terceiro, ademais, porque todo indivíduo é virtualmente
inimigo da civilização, embora se suponha que esta constitui um objeto de interesse
humano universal. É digno de nota que, por pouco que os homens sejam capazes de
existir isoladamente, sintam, não obstante, como um pesado fardo os sacrifícios que a
civilização deles espera, a fim de tornar possível a vida comunitária. A civilização,
portanto, tem de ser defendida contra o indivíduo, e seus regulamentos, instituições e
ordens dirigem-se a essa tarefa. Visam não apenas a efetuar uma certa distribuição da
riqueza, mas também a manter essa distribuição; na verdade, têm de proteger contra
os impulsos hostis dos homens tudo o que contribui para a conquista da natureza e a
produção de riqueza. As criações humanas são facilmente destruídas, e a ciência e a
tecnologia, que as construíram, também podem ser utilizadas para sua aniquilação.
Fica-se assim com a impressão de que a civilização é algo que foi imposto a uma
maioria resistente por uma minoria que compreendeu como obter a posse dos meios
de poder e coerção. Evidentemente, é natural supor que essas dificuldades não são
inerentes à natureza da própria civilização, mas determinadas pelas imperfeições das
formas culturais que até agora se desenvolveram. E, de fato, não é difícil assinalar
esses defeitos. Embora a humanidade tenha efetuado avanços contínuos em seu
controle sobre a natureza, podendo esperar efetuar outros ainda maiores, não é
possível estabelecer com certeza que um progresso semelhante tenha sido feito no
trato dos assuntos humanos; e provavelmente em todos os períodos, tal como hoje
novamente, muitas pessoas se perguntaram se vale realmente a pena defender a pouca
civilização que foi assim adquirida.
Pensar-se-ia ser possível um reordenamento das relações humanas, que removeria as
fontes de insatisfação para com a civilização pela renúncia à coerção e à repressão dos
instintos, de sorte que, imperturbados pela discórdia interna, os homens pudessem
dedicar-se à aquisição da riqueza e à sua fruição. Essa seria a idade de ouro, mas é
discutível se tal estado de coisas pode ser tornado realidade. Parece, antes, que toda
civilização tem de se erigir sobre a coerção e a renúncia ao instinto; sequer parece
certo se, caso cessasse a coerção, a maioria dos seres humanos estaria preparada para
empreender o trabalho necessário à aquisição de novas riquezas. Acho que se tem de
levar em conta o fato de estarem presentes em todos os homens tendências destrutivas
e, portanto, anti-sociais e anticulturais, e que, num grande número de pessoas, essas
tendências são suficientemente fortes para determinar o comportamento delas na
sociedade humana.

1444 O FUTURO DE UMA ILUSÃO


Esse fato psicológico tem importância decisiva para nosso julgamento da civilização
humana. Onde, a princípio, poderíamos pensar que sua essência reside no controle da
natureza para o fim de adquirir riqueza, e que os perigos que a ameaçam poderiam
ser eliminados por meio de uma distribuição apropriada dessa riqueza entre os
homens, parece agora que a ênfase se deslocou do material para o mental. A questão
decisiva consiste em saber se, e até que ponto, é possível diminuir o ônus dos
sacrifícios instintuais impostos aos homens, reconciliá-los com aqueles que
necessariamente devem permanecer e fornecer-lhes uma compensação. É tão
impossível passar sem o controle da massa por uma minoria, quanto dispensar a
coerção no trabalho da civilização, já que as massas são preguiçosas e pouco
inteligentes; não têm amor à renúncia instintual e não podem ser convencidas pelo
argumento de sua inevitabilidade; os indivíduos que as compõem apóiam-se uns aos
outros em dar rédea livre a sua indisciplina. Só através da influência de indivíduos
que possam fornecer um exemplo e a quem reconheçam como líderes, as massas
podem ser induzidas a efetuar o trabalho e a suportar as renúncias de que a existência
depende. Tudo correrá bem se esses líderes forem pessoas com uma compreensão
interna superior das necessidades da vida, e que se tenham erguido à altura de
dominar seus próprios desejos instintuais. Há, porém, o perigo de que, a fim de não
perderem sua influência, possam ceder à massa mais do que esta a eles; por
conseguinte, parece necessário que sejam independentes dela pela posse dos meios de
poder à sua disposição. Expressando-o de modo sucinto, existem duas características
humanas muito difundidas, responsáveis pelo fato de os regulamentos da civilização
só poderem ser mantidos através de certo grau de coerção, a saber, que os homens não
são espontaneamente amantes do trabalho e que os argumentos não têm valia alguma
contra suas paixões.

1443 O FUTURO DE UMA ILUSÃO


Conheço as objeções que serão levantadas contra essas afirmações. Dir-se-á que a
característica das massas humanas aqui retratada, a qual se supõem provar que a
coerção não pode ser dispensada no trabalho da civilização, constitui, ela própria,
apenas o resultado de defeitos nos regulamentos culturais, falhas devido às quais os
homens se tornaram amargurados, vingativos e inacessíveis. Gerações novas, que
forem educadas com bondade, ensinadas a ter uma opinião elevada da razão, e que
experimentarem os benefícios da civilização numa idade precoce, terão atitude
diferente para com ela. Senti-la-ão como posse sua e estarão prontas, em seu benefício,
a efetuar os sacrifícios referentes ao trabalho e à satisfação instintual que forem
necessários para sua preservação. Estarão aptas a fazê-lo sem coerção e pouco
diferirão de seus líderes. Se até agora nenhuma cultura produziu massas humanas de
tal qualidade, isso se deve ao fato de nenhuma cultura haver ainda imaginado
regulamentos que assim influenciem os homens, particularmente a partir da infância.
Pode-se duvidar de que seja de algum modo possível, pelo menos até agora, no
presente estágio de nosso controle sobre a natureza, estabelecer regulamentos
culturais desse tipo. Pode-se perguntar de onde virão esses líderes superiores,
inabaláveis e desinteressados, que deverão atuar como educadores das gerações
futuras, e talvez seja alarmante pensar na imensa quantidade de coerção que
inevitavelmente será exigida antes que tais intenções possam ser postas em prática. A
grandiosidade do plano e sua importância para o futuro da civilização humana não
podem ser discutidas. É algo firmemente baseado na descoberta psicológica segundo a
qual o homem se acha aparelhado com as mais variadas disposições instintuais, cujo
curso definitivo é determinado pelas experiências da primeira infância.
Mas, pela mesma razão, as limitações da capacidade de educação do homem
estabelecem limites à efetividade de uma transformação desse tipo em sua cultura.
Pode-se perguntar se, e em que grau, seria possível a um ambiente cultural diferente
passar sem as duas características das massas humanas que tornam tão difícil a
orientação dos assuntos humanos. A experiência ainda não foi feita. Provavelmente
uma certa percentagem da humanidade (devido a uma disposição patológica ou a um
excesso de força instintual) permanecerá sempre associal; se, porém, fosse viável
simplesmente reduzir a uma minoria a maioria que hoje é hostil à civilização, já muito
teria sido realizado – talvez tudo o que pode ser realizado.
Não gostaria de dar a impressão de me ter extraviado da linha estabelecida para
minha investigação, ver em [[1]]. Permitam-me, portanto, fornecer a garantia
expressa de que não tenho a menor intenção de formular juízos sobre o grande
experimento em civilização que se encontra hoje em desenvolvimento no imenso país
que se estende entre a Europa e a Ásia. Não possuo conhecimento especial nem
capacidade de decidir sobre sua praticabilidade para testar a adequação dos métodos
empregados ou medir a amplitude do inevitável hiato existente entre intenção e
execução. O que lá está em preparo, mostra-se inacabado, tornando, portanto,
baldada uma investigação para a qual nossa própria civilização, há longo tempo
consolidada, nos fornece material.

1442 O FUTURO DE UMA ILUSÃO


II
Deslizamos, sem nos darmos conta, do campo econômico para o da psicologia. A
princípio, ficamos tentados a procurar as vantagens da civilização na riqueza
disponível e nos regulamentos para sua distribuição. Entretanto, com o
reconhecimento de que toda civilização repousa numa compulsão a trabalhar e numa
renúncia ao instinto, provocando, portanto, inevitavelmente, a oposição dos atingidos
por essas exigências, tornou-se claro que a civilização não pode consistir, principal ou
unicamente na própria riqueza, nos meios de adquiri-la e nas disposições para sua
distribuição, de uma vez que essas coisas são ameaçadas pela rebeldia e pela mania
destrutiva dos participantes da civilização. Junto com a riqueza deparamo-nos agora
com os meios pelos quais a civilização pode ser defendida: medidas de coerção e
outras, que se destinam a reconciliar os homens com ela e a recompensá-los por seus
sacrifícios. Estas últimas podem ser descritas como as vantagens mentais da
civilização.
Em benefício de uma terminologia uniforme, descreveremos como “frustração” o fato
de um instinto não poder ser satisfeito, como “proibição” o regulamento pelo qual
essa frustração é estabelecida, e como “privação” a condição produzida pela
proibição. O primeiro passo consiste em distinguir entre privações que afetam a todos
e privações que não afetam a todos, mas apenas a grupos, classes ou mesmo indivíduos
isolados. As primeiras são as mais antigas; com as proibições que as estabeleceram, a
civilização – quem sabe há quantos milhares de anos? – começou a separar o homem
de sua condição animal primordial. Para nossa surpresa, descobrimos que essas
privações ainda são operantes e ainda constituem o âmago da hostilidade para com a
civilização. Os desejos instintuais que sob elas padecem, nascem de novo com cada
criança; há uma classe de pessoas, os neuróticos, que reagem a essas frustrações
através de um comportamento associal. Entre esses desejos instintuais encontram-se
os do canibalismo, do incesto e da ânsia de matar. Soa estranho colocar lado a lado
desejos que todos parecem unânimes em repudiar e desejos sobre os quais existe tão
vívida disputa em nossa civilização quanto a sua permissão ou frustração;
psicologicamente, porém, é justificável proceder assim.

1441 O FUTURO DE UMA ILUSÃO


Tampouco, de modo algum é uniforme a atitude da civilização para com esses antigos
desejos instintuais. Apenas o canibalismo parece ser universalmente proscrito e – para
a opinião não psicanalítica – ter sido completamente dominado. A intensidade dos
desejos incestuosos ainda pode ser detectada por detrás da proibição contra eles, e,
sob certas condições, o matar ainda é praticado, e, na verdade, ordenado, por nossa
civilização. É possível que ainda tenhamos pela frente desenvolvimentos culturais em
que a satisfação de outros desejos, inteiramente permissíveis hoje, parecerá tão
inaceitável quanto, atualmente, o canibalismo.
Essas primeiras renúncias instintuais já envolvem um fator psicológico igualmente
importante para todas as outras renúncias instintuais. Não é verdade que a mente
humana não tenha passado por qualquer desenvolvimento desde os tempos primitivos
e que, em contraste com os avanços da ciência e da tecnologia, seja hoje a mesma que
era nos primórdios da história. Podemos assinalar de imediato um desses progressos
mentais. Acha-se em consonância com o curso do desenvolvimento humano que a
coerção externa se torne gradativamente internalizada, pois um agente mental
especial, o superego do homem, a assume e a inclui entre seus mandamentos. Toda
criança nos apresenta esse processo de transformação; é só por esse meio que ela se
torna um ser moral e social. Esse fortalecimento do superego constitui uma vantagem
cultural muito preciosa no campo psicológico. Aqueles em que se realizou são
transformados de opositores em veículos da civilização. Quanto maior é o seu número
numa unidade cultural, mais segura é a sua altura e mais ela pode passar sem
medidas externas de coerção. Ora, o grau dessa internalização difere grandemente
entre as diversas proibições instintuais. Com referência às primeiras exigências
culturais, que já mencionei, a internalização parece ter sido amplamente conseguida,
se não levarmos em conta a exceção desagradável dos neuróticos. Contudo, o caso se
altera quando nos voltamos para as outras reivindicações instintuais.
Aqui observamos com surpresa e preocupação que a maioria das pessoas obedece às
proibições culturais nesses pontos apenas sob pressão da coerção externa, isto é,
somente onde essa coerção pode fazer-se efetiva e enquanto deve ser temida. Isso
também é verdade quanto ao que é conhecido como sendo as exigências morais da
civilização, que, do mesmo modo, se aplicam a todos. A maioria das experiências que
se tem da infidedignidade moral do homem ocorre nessa categoria. Há incontáveis
pessoas civilizadas que se recusam a cometer assassinato ou a praticar incesto, mas
que não se negam a satisfazer sua avareza, seus impulsos agressivos ou seus desejos
sexuais, e que não hesitam em prejudicar outras pessoas por meio da mentira, da
fraude e da calúnia, desde que possam permanecer impunes; isso, indubitavelmente,
foi sempre assim através de muitas épocas da civilização.
Se nos voltarmos para as restrições que só se aplicam a certas classes da sociedade,
encontraremos um estado de coisas que é flagrante e que sempre foi reconhecido. É de
esperar que essas classes subprivilegiadas invejem os privilégios das favorecidas e
façam tudo o que podem para se liberarem de seu próprio excesso de privação. Onde
isso não for possível, uma permanente parcela de descontentamento persistirá dentro
da cultura interessada, o que pode conduzir a perigosas revoltas. Se, porém, uma
cultura não foi além do ponto em que a satisfação de uma parte e de seus
participantes depende da opressão da outra parte, parte esta talvez maior – e este é o
caso em todas as culturas atuais –, é compreensível que as pessoas assim oprimidas
desenvolvam uma intensa hostilidade para com uma cultura cuja existência elas
tornam possível pelo seu trabalho, mas de cuja riqueza não possuem mais do que uma
quota mínima. Em tais condições, não é de esperar uma internalização das proibições
culturais entre as pessoas oprimidas. Pelo contrário, elas não estão preparadas para
reconhecer essas proibições, têm a intenção de destruir a própria cultura e, se
possível, até mesmo aniquilar os postulados em que se baseia. A hostilidade dessas
classes para com civilização é tão evidente, que provocou a mais latente hostilidade
dos estratos sociais mais passíveis de serem desprezados. Não é preciso dizer que uma
civilização que deixa insatisfeito um número tão grande de seus participantes e os
impulsiona à revolta, não tem nem merece a perspectiva de uma existência
duradoura.
O ponto até o qual os preceitos de uma civilização foram internalizados – ou, para
expressá-lo de modo mais popular e não psicológico, o nível moral de seus
participantes –, não constitui a única forma de riqueza mental que entra em
consideração ao se avaliar o valor de uma civilização. Há, além disso, suas vantagens
sob forma de ideais e criações artísticas, isto é, as satisfações que podem ser derivadas
dessas fontes.

1440 O FUTURO DE UMA ILUSÃO


As pessoas sempre estarão prontamente inclinadas a incluir entre os predicados
psíquicos de uma cultura os seus ideais, ou seja, suas estimativas a respeito de que
realizações são mais elevadas e em relação às quais se devem fazer esforços por
atingir. Parece, a princípio, que esses ideais determinam as realizações da unidade
cultural; contudo, o curso real dos acontecimentos parece indicar que os ideais se
baseiam nas primeiras realizações que foram tornadas possíveis por uma combinação
entre os dotes internos da cultura e as circunstâncias externas, e que essas primeiras
realizações são então erigidas pelo ideal como algo a ser levado avante. A satisfação
que o ideal oferece aos participantes da cultura é, portanto, de natureza narcísica;
repousa em seu orgulho pelo que já foi alcançado com êxito. Tornar essa satisfação
completa exige uma comparação com outras culturas que visaram a realizações
diferentes e desenvolveram ideais distintos. É a partir da intensidade dessas
diferenças que toda cultura reivindica o direito de olhar com desdém para o resto.
Desse modo, os ideais culturais se tornam fonte de discórdia e inimizades entre
unidades culturais diferentes, tal como se pode constatar claramente no caso das
nações.
A satisfação narcísica proporcionada pelo ideal cultural encontra-se também entre as
forças que alcançam êxito no combate à hostilidade para com a cultura dentro da
unidade cultural. Essa satisfação pode ser partilhada não apenas pelas classes
favorecidas, que desfrutam dos benefícios da cultura, mas também pelas oprimidas, já
que o direito a desprezar povos estrangeiros as compensa pelas injustiças que sofrem
dentro de sua própria unidade. Não há dúvida de que alguém pode ter sido um plebeu
infeliz, atormentado por dívidas e pelo serviço militar, mas, em compensação, não
deixava de ser um cidadão romano, com sua própria quota na tarefa de governar
outras nações e ditar suas leis. Essa identificação das classes oprimidas com a classe
que as domina e explora é, contudo, apenas uma parte de um todo maior. Isso porque,
por outro lado, as classes oprimidas podem estar emocionalmente ligadas a seus
senhores; apesar de sua hostilidade para com eles, podem ver neles os seus ideais. A
menos que tais relações de tipo fundamentalmente satisfatório subsistam, é impossível
compreender como uma série de civilizações sobreviveu por tão longo tempo,
malgrado a justificável hostilidade de grandes massas humanas.
Um tipo diferente de satisfação é concedido aos participantes de uma unidade cultural
pela arte, embora, via de regra, ela permaneça inacessível às massas, que se acham
empenhadas num trabalho exaustivo, além de não terem desfrutado de qualquer
educação pessoal.
Como já descobrimos há muito tempo, a arte oferece satisfações substitutivas para as
mais antigas e mais profundamente sentidas renúncias culturais, e, por esse motivo,
ela serve, como nenhuma outra coisa, para reconciliar o homem com os sacrifícios que
tem de fazer em benefício da civilização. Por outro lado, as criações da arte elevam
seus sentimentos de identificação, de que toda unidade cultural carece tanto,
proporcionando uma ocasião para a partilha de experiências emocionais altamente
valorizadas. E quando essas criações retratam as realizações de sua cultura específica
e lhe trazem à mente os ideais dela de maneira impressiva, contribuem também para
sua satisfação narcísica.
Nenhuma menção se fez ainda do que talvez constitua o item mais importante do
inventário psíquico de uma civilização, item este que consiste, no sentido mais amplo,
em suas idéias religiosas, ou, em outras palavras (que posteriormente serão
justificadas), em suas ilusões.

1439 O FUTURO DE UMA ILUSÃO


III
Em que reside o valor peculiar das idéias religiosas?
Já falamos da hostilidade para com a civilização, produzida pela pressão que esta
exerce, pelas renúncias do instinto que exige. Se imaginarem suspensas as suas
proibições – se, então, se pudesse tomar a mulher que se quisesse como objeto sexual;
se fosse possível matar sem hesitação o rival ao amor dela ou qualquer pessoa que se
colocasse no caminho, e se, também, se pudesse levar consigo qualquer dos pertences
de outro homem sem pedir licença –, quão esplêndida, que sucessão de satisfações
seria a vida! É verdade que logo nos deparamos com a primeira dificuldade: todos os
outros têm exatamente os mesmos desejos que eu, e não me tratarão com mais
consideração do que eu os trato. Assim, na realidade, só uma única pessoa se poderia
tornar irrestritamente feliz através de uma tal remoção das restrições da civilização, e
essa pessoa seria um tirano, um ditador, que se tivesse apoderado de todos os meios de
poder. E mesmo ele teria todos os motivos para desejar que os outros observassem
pelo menos um mandamento cultural: “não matarás”.
Mas quão ingrato, quão insensato, no fim das contas, é esforçar-se pela abolição da
civilização! O que então restaria seria um estado de natureza, muito mais difícil de
suportar. É verdade que a natureza não exigiria de nós quaisquer restrições dos
instintos, deixar-nos-ia proceder como bem quiséssemos; contudo, ela possui seu
próprio método, particularmente eficiente, de nos coibir. Ela nos destrói, fria, cruel e
incansavelmente, segundo nos parece, e, possivelmente, através das próprias coisas
que ocasionaram nossa satisfação. Foi precisamente por causa dos perigos com que a
natureza nos ameaça que nos reunimos e criamos a civilização, a qual também, entre
outras coisas, se destina a tornar possível nossa vida comunal, pois a principal missão
da civilização, sua raison d’être real, é nos defender contra a natureza.
Todos sabemos que, de diversas maneiras, a civilização já faz isso bastante bem, e é
claro que, na medida em que o tempo passa, o fará muito melhor. Ninguém, no
entanto, alimenta a ilusão de que a natureza já foi vencida, e poucos se atrevem a ter
esperanças de que um dia ela se submeta inteiramente ao homem. Há os elementos,
que parecem escarnecer de qualquer controle humano; a terra, que treme, se
escancara e sepulta toda a vida humana e suas obras; a água, que inunda e afoga tudo
num torvelinho; as tempestades, que arrastam tudo o que se lhes antepõe; as doenças,
que só recentemente identificamos como sendo ataques oriundos de outros
organismos, e, finalmente, o penoso enigma da morte, contra o qual remédio algum foi
encontrado e provavelmente nunca será. É com essas forças que a natureza se ergue
contra nós, majestosa, cruel e inexorável; uma vez mais nos traz à mente nossa
fraqueza e desamparo, de que pensávamos ter fugido através do trabalho de
civilização. Uma das poucas impressões gratificantes e exaltantes que a humanidade
pode oferecer, ocorre quando, em face de uma catástrofe elementar, esquece as
discordâncias de sua civilização, todas as suas dificuldades e animosidades internas, e
se lembra da grande tarefa comum de se preservar contra o poder superior da
natureza.
Tal como para a humanidade em geral, também para o indivíduo a vida é difícil de
suportar. A civilização de que participa impõe-lhe uma certa quantidade de privação,
e outros homens lhe trazem outro tanto de sofrimento, seja apesar dos preceitos de
sua civilização, seja por causa das imperfeições dela. A isso se acrescentam os danos
que a natureza indomada – o que ele chama de Destino – lhe inflige. Poder-se-ia supor
que essa condição das coisas resultaria num permanente estado de ansiosa expectativa
presente nele e em grave prejuízo a seu narcisismo natural. Já sabemos como o
indivíduo reage aos danos que a civilização e os outros homens lhe infligem:
desenvolve um grau correspondente de resistência aos regulamentos da civilização e
de hostilidade para com ela. Mas, como se defende ele contra os poderes superiores da
natureza, do Destino, que o ameaçam da mesma forma que a tudo mais?
A civilização o poupa dessa tarefa; ela a desempenha da mesma maneira para todos,
igualmente, e é digno de nota que, nisso, quase todas as civilizações agem de modo
semelhante. A civilização não se detém na tarefa de defender o homem contra a
natureza, mas simplesmente a prossegue por outros meios. Trata-se de uma tarefa
múltipla. A auto-estima do homem, seriamente ameaçada, exige consolação; a vida e o
universo devem ser despidos de seus terrores; ademais, sua curiosidade, movida, é
verdade, pelo mais forte interesse prático, pede uma resposta.

1438 O FUTURO DE UMA ILUSÃO


Muito já se conseguiu com o primeiro passo: a humanização da natureza. De forças e
destinos impessoais ninguém pode aproximar-se; permanecem eternamente distantes.
Contudo, se nos elementos se enfurecerem paixões da mesma forma que em nossas
próprias almas, se a própria morte não for algo espontâneo, mas o ato violento de uma
Vontade maligna, se tudo na natureza forem Seres à nossa volta, do mesmo tipo que
conhecemos em nossa própria sociedade, então poderemos respirar livremente, sentirnos
em casa no sobrenatural e lidar com nossa insensata ansiedade através de meios
psíquicos. Talvez ainda nos achemos indefesos, mas não mais desamparadamente
paralisados; pelo menos, podemos reagir. Talvez, na verdade, sequer nos achemos
indefesos. Contra esses violentos super-homens externos podemos aplicar os mesmos
métodos que empregamos em nossa própria sociedade; podemos tentar conjurá-los,
apaziguá-los, suborná-los e, influenciando-os assim, despojá-los de uma parte de seu
poder. Uma tal substituição da ciência natural pela psicologia não apenas proporciona
alívio imediato, mas também aponta o caminho para um ulterior domínio da situação.
Porque essa situação não é nova. Possui um protótipo infantil, de que, na realidade, é
somente a continuação. Já uma vez antes, nos encontramos em semelhante estado de
desamparo: como crianças de tenra idade, em relação a nossos pais. Tínhamos razões
para temê-los, especialmente nosso pai; contudo, estávamos certos de sua proteção
contra os perigos que conhecíamos. Assim, foi natural assemelhar as duas situações.
Aqui, também, o desejar desempenhou seu papel, tal como faz na vida onírica. Aquele
que dorme pode ser tomado por um pressentimento da morte, que ameaça colocá-lo
no túmulo. A elaboração onírica, porém, sabe como selecionar uma condição que
transformará mesmo esse temível evento uma realização de desejo: aquele que sonha
vê-se a si mesmo numa antiga sepultura etrusca a que desceu, feliz por satisfazer seus
interesses arqueológicos. Do mesmo modo, um homem transforma as forças da
natureza não simplesmente em pessoas com quem pode associar-se como com seus
iguais – pois isso não faria justiça à impressão esmagadora que essas forças causam
nele –, mas lhes concede o caráter de um pai. Transforma-as em deuses, seguindo
nisso, como já tentei demonstrar, não apenas um protótipo infantil, mas um protótipo
filogenético.
No decorrer do tempo, fizeram-se as primeiras observações de regularidade e
conformidade à lei nos fenômenos naturais, e, com isso, as forças da natureza
perderam seus traços humanos. O desamparo do homem, porém, permanece e, junto
com ele, seu anseio pelo pai e pelos deuses. Estes mantêm sua tríplice missão:
exorcizar os terrores da natureza, reconciliar os homens com a crueldade do Destino,
particularmente a que é demonstrada na morte, e compensá-los pelos sofrimentos e
privações que uma vida civilizada em comum lhes impôs.
Contudo, dentro dessas funções há um deslocamento gradual de ênfase. Observou-se
que os fenômenos da natureza se desenvolviam automaticamente, de acordo com as
necessidades internas. Indubitavelmente, os deuses eram os senhores da natureza;
haviam-na disposto para ser como era e agora podiam deixá-la por sua própria conta.
Apenas ocasionalmente, no que se conhece como milagres, intervinham eles em seu
curso, como para tornar claro que não haviam abandonado nada de sua esfera
original de poder. Com referência à distribuição dos destinos, persistia a desagradável
suspeita de que a perplexidade e o desamparo da raça humana não podiam ser
remediados. Era aqui que os deuses se mostravam aptos a falhar. Se eles próprios
haviam criado o Destino, então seus desígnios deviam ser considerados inescrutáveis.
Alvoreceu a noção, no povo mais bem dotado da Antigüidade, de que Moira [o
Destino] alçava-se acima dos deuses e que mesmo estes tinham os seus próprios
destinos. E quanto mais autônoma a natureza se tornava e quanto mais os deuses se
retiravam dela, com mais seriedade todas as expectativas se dirigiram para a terceira
função deles, ou seja, mais a moralidade tornou-se o seu verdadeiro domínio. Ficou
sendo então tarefa dos deuses nivelar os defeitos e os males da civilização, assistir os
sofrimentos que os homens infligem uns aos outros em sua vida em conjunto e vigiar o
cumprimento dos preceitos da civilização, a que os homens obedecem de modo tão
imperfeito. Esses próprios preceitos foram creditados com uma origem divina; foram
elevados além da sociedade humana e estendidos à natureza e ao universo.