MAPA ASTRAL

segunda-feira, 28 de julho de 2008

744 NOSSA NAVE

NOSSA ESCOLA PASSARÁ POR REFORMAS ... DEUSES TRABALHANDO ...
Com o processo civilizatório que desenvolveu uma sociedade tecnológica mas desconectada da natureza, engendrou-se o aquecimento global e o próximo passo é a subida das águas nas regiões litorâneas. A partir especialmente de 2011, quando Netuno entrar em seu signo de regência, Peixes, muitos locais estarão sob risco, não somente nos litorais mas em todas as regiões de cheias e enchentes. Alguns locais são centros geodésicos importantes. Entre as chapadas do Guimarães (Mato Grosso) e dos Veadeiros (Goiás) surgirão novas cidades e uma nova civilidade. Em muitos outros locais do planeta acontecerá o mesmo. Estamos mudando de nível. Todos nós. A era de Aquarius é a era da libertação coletiva. Deus nos espera dentro de nós. Namastê.

743 ANIVERSÁRIO DO BLOG

Na data 18/07/2007, publiquei a primeira postagem do blog: "CENTERIN CENTRO DE TERAPIAS INTEGRADAS Álvaro Ramos, 52 - Botafogo

Blog transdisciplinar, aberto para todos os profissionais, clientes, alunos e amigos.
Seguindo uma proposta de integração terapêutica com fundamento em uma concepção holística dos processos de saúde e doença, desenvolvemos nossas atividades com a finalidade de promover o bem-estar e o equilíbrio do ser humano.
Nós consideramos o indivíduo em sua integralidade, isto é, em seus aspectos físico, psicossociais e espirituais.
Venha conhecer essa concepção de saúde...
Todas as Técnicas Terapêuticas com que trabalhamos são reconhecidas pela OMS (Organização Mundial de Saúde) e constituem nossa ARTE DE CURAR.
TÉCNICAS PRINCIPAIS: PSICOTERAPIA, PSICOLOGIA (Adulto e Infantil), TERAPIA HOLÍSTICA, REIKITERAPIA, TERAPIA FLORAL, ASTROLOGIA, RENASCIMENTO, ACUPUNTURA, SHIATSUTERAPIA, RPG, MASSOTERAPIA, MEDICINA CHINESA, TAROLOGIA, CANTOTERAPIA, TRABALHOS CORPORAIS, MEDITAÇÃO, ENTRE OUTRAS.
(21) 2244-2708" Dia 18 de Julho às 23:44 nascia nosso querido Blog, canceriano com Lua em Virgem e Ascendente em Áries, que este espaço seja uma combinação da intuição, do método e do entusiasmo destes seus signos arquetípicos e possa propiciar aos seus leitores informações qualificadas de caráter holístico. Obrigado a todos os que nos acessam!!! Nossa intenção é compartilhar por que prá merecer viver na Nova Era é preciso aprender a cooperar!
"Parabéns prá você ... muitas felicidades muitos anos de vida" HAPPY BIRTHDAY BLOG CENTERIN-RJ

742 IN THE END

In The End

Linkin Park

Composição: Mike Shinoda e Chester Bennington

(Chester) It starts with (Mike) One thing, I don't know why It doesn't even matter how hard you try Keep that in mind I designed this rhyme To explain in due time (Chester) All I know (Mike) Time is a valuable thing Watch it fly by as the pendulum swings Watch it count down to the end of the day The clock ticks life away (Chester) It's so unreal (Mike)Didn't look out below Watch the time go right out the window Trying to hold on, but didn't even know I wasted it all just to (Chester) Watch you go (Mike) I kept everything inside And even though I tried it all fell apart What it meant to me will eventually Be amemory of a time when (Refrão) (Chester) I tried so hard And got so far But in the end, It doesn't even matter I had to fall To lose it all, But in the end It doesn't even matter (Mike) One thing, I don't know why It doesn't even matter how hard you try Keep that in mind I designed this rhyme To remind myself how (Chester) I tried so hard (Mike) In spite of the way you were mocking me Acting like I was part of your property Remembering all the times, you fought with me I'm surprised it got so (Chester) It got so far (Mike)Things aren't the way they were before You wouldn't even recognize me anymore Not that you knew me back then But it all comes back to me (Chester) In the end (Mike) You kept everything inside And even though I tried It all fell apart What it meant to me will eventually Be a memory Of a time when I (Refrão) (Chester) I tried so hard And got so far But in the end, It doesn't even matter I had to fall To lose it all But in the end It doesn't even matter I've put my trust in you Pushed as far as I can go For all this There's only one thing you should know I've put my trust in you Pushed as far as I can go For all this There's only one thing you should know (Refrão) I tried so hard And got so far But in the end, It doesn't even matter I had to fall To lose it all But in the end It doesn't even matter

sábado, 26 de julho de 2008

741 YORUBA

Oodua Peoples Congress (OPC) Oodua Liberation Movement (OLM) Revolutionary Council of Nigeria (RCN)

The Oodua Peoples Congress (OPC) is a militant socio-cultural Yoruba nationalist organization formed in 1997. The Yoruba, numbering about 25 million, live in the South Western part of Nigeria. The southern Nigeria-based group opposed the late dictator Sani Abacha, and along with other pro-democracy groups was at the forefront of the political struggle to restore democracy. It has supported Yoruba nationalism and a strong federal system in Nigeria. Its large membership [which according to some reports runs to millions] makes it vulnerable to the infiltration by extremely radical elements.

740 YORUBA

Yoruba protests became violent after the death of the political prisoner, Mashood Abiola, who won the 1993 presidential election in 1993 but was subsequently imprisoned by the military government. The government claims Abiol died of a heart attack while in prison, but protesters claim that Abiola was murdered. Abiola was a dissident that protested the military rule and presented hope for representation of the Yoruba, which they feel they have been denied.

The Government of Nigeria during 1998 went from an authoritarian dictatorship to a transitional government that at year's end was in the process of implementing a program of democratic transition to democratic civilian government in the first half of 1999. For the first half of the year, the Government was dominated by General Sani Abacha, and committed serious human rights abuses systematically in order to retain political power.

739 YORUBA

During the month of November 1998, members of the combined police and military anticrime task force known as "Operation Sweep" reportedly committed at least 16 extrajudicial killings. On 08 December 1998, in the Bariga area of Lagos, "Sweepers" killed four persons during a clash with members of the Oodua People's Congress, whose adherents had taken weapons from the police in previous confrontations.

In early 1999, the dissident Oodua Liberation Movement (OLM) [possibly also using the name Revolutionary Council of Nigeria - RCN] faction of the group became more militant in its approach. The OLM/RCN opposes Nigeria's federal system, and wants the southwestern part of the country to secede and create a separate Yoruba homeland. Nigerian President Olusegun Obasanjo has blamed clashes in Lagos between Hausa and Yoruba traders on the Oodua People's Congress.

Disgruntled military officers, serving and retired, are said to be providing the growing 'private armies' with sophisticated weapons, which seriously threaten the country's budding democracy.

738 YORUBA

The Yoruba are a linguistic community rather than a single ethnic unit. History, language, and membership in the modern nation-state, however, have led to their identity as ethnic groups. Yorubaland takes in most of southwestern Nigeria and the peoples directly west of the Nigerian border in the independent country of Benin. In Nigeria alone, Yorubaland included 20 million to 30 million people in 1990 (i.e., about double the 1963 census figures).

Each of its subunits was originally a small to medium-sized state whose major town provided the name of the subgrouping. Over time seven subareas--Oyo, Kabba, Ekiti, Egba, Ife, Ondo, and Ijebu--became separate hegemonies that differentiated culturally and competed for dominance in Yorubaland. Early nineteenth-century travelers noted that northern Oyo people had difficulty understanding the southern Ijebu, and these dialect differences remained in 1990. The language is that of the Kwa group of the Niger-Congo family, related to the Idoma and Igala of the southern grouping of middle belt chieftaincies south of the Benue River. The population has expanded in a generally westerly and southwesterly direction over the past several centuries. In the twentieth century, this migration brought Yoruba into countries to the west and northwest as far as northern Ghana.

737 YORUBA

The Yoruba kingdoms were essentially unstable, even when defended by Portuguese guns and later by cavalry (in Ilorin and Kabba), because the central government had insufficient power constitutionally or militarily to stabilize the subordinate chiefs in the outlying centers. This fissiparous tendency has governed Yoruba contemporary history and has weakened traditional rulers and strengthened the hands of local chiefs and elected councils.

The entry port of Lagos, predominantly Yoruba, is the largest and economically dominant city in the country (and its first capital). In relation to others, the Yoruba had a strong sense of ethnic identity and of region, history, and leadership among Nigeria's peoples. In relation to each other, the seven subgroups used inherited prejudices of character and behavior that could exacerbate animosities, should other factors such as access to education or prominent positions create conflict among the subdivisions.

736 OXOSSI

Oshossi

Oshossi era filho de Odé, e ambos eram caçadores; porém caçavam coelhos e animais de pequeno porte, o que lhes provinha a subsistência. Quando Odé adoeceu, Oshossi teve de caçar por dias e dias, e as coisas começaram a se complicar. Decidiu fazer um jogo para escutar os conselhos de Ifá, e então se dirigiu a casa do babalawo Orunmilá. O Odú Ogundamasa foi o que saiu, aconselhando-o a fazer um Ebó com instrumentos de caça (arco-e-flecha, lança, pólvora, bacamarte, etc). No mesmo dia em que foi fazer o Ebó, encontrou-se na sala de espera com um ferreiro chamado Ogum, que tinha ido consultar o oráculo na véspera, pois seu comércio de artefatos de ferro não andava bem. Ambos começaram a conversar sobre seus problemas quando descobriram que tinham tirado o mesmo signo de Ifá. Descobriram também que por falta de recursos, ambos não tinham podido comprar vários itens pedidos para o Ebó.

735 OXOSSI

Ogum não tinha conseguido pele de animais, coisa que Oshossi tinha em abundância. Oshossi não havia conseguido o arco-e-flecha de ferro em miniatura, coisa que a Ogum sobrava. O escambo se fez entre os dois e assim suas listas de Ebó ficaram completas. Ambos fizeram seus Ebós e lhes foi aconselhado colocar o pacote no mato mais profundo e virgem que conhecessem. Ogum então disse a Oshossi: “Eu moro no lugar mais afastado desse mundo. É lá que vamos colocar nosso Ebó”. Assim o fizeram, e Ogum convidou Oshossi para pernoitar em sua casa, posto que a noite caía e a distância era grande.

734 OXOSSI

Oshossi ficou encantado com a oficina de Ogum e este resolveu fabricar um arco-e-flecha de aço flexível com flechas de ferro para presentear Oshossi. No dia seguinte, Oshossi, com sua nova arma, ao invés de caçar um coelho, conseguiu apanhar um grande veado, que presenteou a Ogum. Este, com sua grelha, fez um delicioso churrasco, que ambos comeram. Oshossi, com a venda da pele e dos chifres, conseguiu um bom dinheiro; resolveu então permanecer naquele bosque, que era farto em animais que ainda não se assustavam com a presença dos homens, que ainda não conheciam. Com o resultado da venda das peles conseguia sustentar seu pai, com a carne alimentava seu novo amigo que, em troca, sempre lhe trazia novas flechas de ferro. E assim, até hoje, os dois são entregues juntos num só caldeirão, pois é da união que se produz a força.

quinta-feira, 24 de julho de 2008

733 TIBETAN YOGA

732 TIBETAN YOGA

The Five Tibetan Rites

The Five Tibetan Rites is a yoga routine based on a ritual of exercises discovered in the early 1900's, by a British army colonel, Colonel Bradford, who was living in a Himalayan monastery. They are practiced around the world and are said to prevent aging. In 1939, Peter Kelder published "The Original Five Tibetan Rites of Rejuvenation," which helped spread the rites in the western world. Mr. Kelder has since updated the book "The Eye of Revelation - The Original Five Rites of Rejuvenation," Borderland Sciences Research Foundation, 1989, ISBN 0-945685-04-1.

731 TIBETAN YOGA

The rites are comprised of five different movements (with a sixth added for good measure), with each movement performed up to 21 times (Tibetans believe 21 is a perfect, mystical number). It is best to start with 3 repetitions of each exercise and gradually increase the repetitions. The entire routine can be completed in less than 10 minutes.

For thousands of years, medical practitioners have maintained that the body has seven principal energy centers which correspond to the seven endocrine glands, also known as chakras. Chakras are essentially energies within spinning vortexes. As a vortex is increased, the life force becomes stronger and more directed.

730 TIBETAN YOGA

Recent medical research has uncovered convincing evidence that the aging process is hormone-regulated. The five ancient Tibetan rites are said to normalize hormonal imbalances in the body, thereby holding the key to lasting youth, health, and vitality. The rites stimulate the energy system in the body, wake up the chakras, and get energy moving from your core outward to your extremities. The theory behind the rites is that your Kundalini (spiritual energy) is stored and lies at the base of your spine and that these rites access that energy in a very efficient, fast, and user-friendly way.

729 TIBETAN YOGA

An important part of the Tibetan exercises is a conscious synchronization of breathing while performing physical activity. Before beginning the exercises, practice the basic 4 - stage breathing technique.

  • Inhale.
  • Hold filled lungs.
  • Exhale.
  • Hold empty lungs.

No exercise should be so intense that it makes you feel exhausted. For example, if you are "loosing your breath", it indicates that your body is in an anaerobic (low oxygen) condition and that you should slow down. If you can not talk normally after performing an exercise, you should slow down. When performing the exercises, the main emphasis should be on breath synchronization and fluency, rather than on speed and number of repetitions.

728 TIBETAN YOGA

Some call these rites isometric exercises. Although they are helpful in stretching muscles and joints and improving muscle tone, this is not their primary purpose. A slow vortex causes that part of the body to deteriorate, while a faster one causes nervousness, anxiety, and exhaustion. Abnormal vortexes produces abnormal health, deterioration, and old age. The rites normalize the speed of the spinning vortexes by keeping them spinning at the same rate and working in harmony.

Here are the Five Tibetan Rites and how they work on the body (remember to breathe deeply using the diaphragm during the movements).

727 RITE 1

726 RITE 1

Rite 1

The first rite is the practice of spinning, which effects the emotional body by speeding up the vortexes. Children naturally spin while playing. As one spins clockwise, Lamas say that negative residues are flung out of the body and the bridge is strengthened between the left and right hemispheres. Spinning stimulates the body's energy system and wakes up the chakras.

725 RITE 1

Spinning: Extend your arms out to the sides and spin (in a clockwise direction). Go as fast as you can without losing control (slow down or stop if you get dizzy). Try to do 21 revolutions.

Follow your right arm so that you spin around to your right. As you begin to spin, focus your vision on a single point straight ahead and continue holding your vision on that point as long as possible. Eventually you have to let it leave your field of vision as your head spins with the body. As this occurs, turn your head around quickly and refocus on your reference point as soon as possible. Using a reference point helps prevent dizziness. Stop spinning as soon as you feel slightly dizzy. Lie on the floor and breathe deeply before you begin the next rite. Raise your hands above your head to stretch the back.

724 RITE 1

In India, the Maulawiyah, or whirling dervishes, spin unceasingly in a religious frenzy. They always spin clockwise. The older dervishes are virile, strong, and robust, far more so than most men of their age. Lamas say that this excessive spinning may be detrimental as it over-stimulates some of the vortexes, which first accelerates the flow of energy but then blocks it. This building up and tearing down action causes the dervishes to experience a kind of "psychic rush," which they mistake for something spiritual.

Lamas do not carry the whirling to an excess. While the whirling dervishes may spin hundreds of times, the Lamas only do it 21 times, just enough to stimulate the vortexes into action.

723 RITE 2

722 RITE 2

Rite 2

Rite two is similar to Western abdominal exercises. By raising the head to the chest, you create an extra stimulus to the solar plexus chakra and the "conception vessel" moving through the center of the trunk.

721 RITE 2

Use a thick rug or pad to protect your back as you lie on the floor. Lamas perform the rites on what Westerners call a prayer rug, which is about two feet wide and six feet long. The rug is fairly thick and is made of wool and a natural fiber. It is used solely to insulate the body from the cold floor, but since religious significance is attached to everything the Lamas do, it is called a "prayer rug."

720 RITE 2

Leg Raises: First lie flat on the floor, face up. Fully extended your arms along your sides, and place the palms of your hands against the floor, keeping the fingers close together. Then, raise your head off the floor, tucking the chin against the chest. As you do this, lift your legs, knees straight, into a vertical position. If possible, let the legs extend back over the body, toward the head; but do not let the knees bend. Then slowly lower both the head and the legs, knees straight, to the floor. Allow all the muscles to relax, continue breathing in the same rhythm. Breathe in deeply as you lift your legs and breathe out as you lower your legs.

719 RITE 2

Upon sitting up, stretch your legs out in front of you. Starting at the thigh area, stroke down the outside of your legs with your hands until you reach your feet. Grab your feet on the outside, pulling your head as close to your straight knees as possible.

718 RITE 3

717 RITE 3

Rite 3

Rite three opens the solar plexus and heart. We begin life by drawing energy in through the umbilical area. Lamas believe we continue the habit of sucking into the solar plexus, which is the seat of the emotional body, without being aware of what we are taking in. All kinds of emotional energies enter in this way. Psychically, we attract negative emotions that relate to those we ourselves are carrying. Thus, fear or anger inside us acts as a magnet to people who are carrying the same kind of energies.

716 RITE 3

Contraction interferes with the functioning of the solar plexus ganglion that relays messages to the brain relevant to our sense of safety and stimulates the "fight or flight" reflex. This rite provides an extension and a powerful lifting of the entire trunk, which is the opposite of a defensive, contractive stance. By performing this motion, you are reversing the energy flow and raising the energy to the heart area.

715 RITE 3

Camel: This is a classic back bend. Kneel on the floor, knees under your hips, toes flat, with the body erect. Place hands on back of legs just under the buttocks. Tilt the head and neck forward, tucking the chin against the chest. Then, tilt the head and neck backward, arching the spine backward, and look upward. After arching, return to the original position, and repeat up to 21 times.

714 RITE 3

Inhale deeply as you arch the spine, exhale as you return to an erect position. This rite opens up the front of the body and spine. Establish a rhythmic breathing pattern. Breathe in deeply as you arch the spine. Breathe out as you return to an erect position.

713 RITE 3

When you are finished with this series of motions, extend your arms at shoulder level straight out in front of you and lean back without arching your back. You will feel this stretching the facia lata at the outer thighs.

712 RITE 4

711 RITE 4

Rite 4

This rite causes a pleasant stimulation throughout the sacral area which stirs the meridians and the energies going to and from the groin and down the legs. This rite strengthens and tones the legs and glutes.

710 RITE 4

Tabletop: Sit on floor with your legs extended, body erect, feet flexed and about 12 inches apart, palms flat on floor next to your hips, fingers pointed toward your feet. Tuck the chin forward against the chest. Now, tilt the head backward as far as it will go. At the same time, bend your knees and push up to a "tabletop" position, arms straight. Let your head fall back gently. The trunk of the body will be in a straight line with the upper legs, horizontal to the floor. Then, tense every muscle in the body. Finally, relax your muscles as you return to the original sitting position. Rest before repeating the procedure.

709 RITE 4

Breathe in as you raise up, hold your breath as you tense the muscles, breathe out completely as you come down. Continue breathing in the same rhythm as long as you rest between repetitions.

708 RITE 5

707 RITE 5

Rite 5

Rite five brings an immediate change in the energy currents of the body. It makes one feel strong and invigorated and brings a happy glow to the face. This is the most powerful rite in terms of speeding up the chakric vortexes.

706 RITE 5

Up Dog & Down Dog: Begin on all fours, toes flexed, palms on floor, weight distributed evenly among your knees, your palms, and the balls of your feet. Throughout this rite, your hands and feet should be kept straight.

705 RITE 5

Start with your arms perpendicular to the floor, and the spine arched downward, so that the body is in a sagging position. Slowly lift your buttocks toward the sky, with a flat back, lowering your head, so your body makes an inverted "V." Tuck your chin to your chest. Pause, then lower your buttocks while pressing your palms into the floor, until your legs are in a plank position (parallel to the ground), moving your chest out and shoulders back. Inhale on your way up; exhale on your way down.

704 RITE 5

Repeat, up to 21 times. In the rite, your body is moving in concert, moving energy up the spine.

Follow the deep breathing pattern used in the previous rites. Breathe in deeply as you raise the body, breathe out fully as you lower it.

703 RITE 6

Rite 6

Tibetans say that this special sixth rite will make you into a super-being.

Deep Breathing: Stand comfortably and exhale as you bend from the waist, placing your hands on your knees. Expel the last bit of air from your lungs and without taking in new breath, return to an erect position. Place your hands on your hips, with fingers to the front and press as hard as you can while sucking in the abdomen. This will raise your shoulders and chest.

702 RITE 6

While holding in the abdomen, also squeeze the pubococcygeal muscle up to emphasize the upward thrust. Hold this position and bring your closed eyeballs to the point between the eyebrows so that all this lower chakric energy will rise up to the highest centers. When you must take a breath, breathe in through your nose and then exhale through the mouth as you drop your arms down to your sides to relax. Take in several normal breaths through the nose and mouth before beginning again.

quarta-feira, 16 de julho de 2008

701 GANESH YANTRA & MANTRA

Om shri maha ganapataye namah ganapi ganesha

700 JYOTISHA SHASTRA

Nos Vedas, astrologia constitui um vedanga, e é chamado de Jyotisha shastra, indicando o controle (isha) dos raios vibracionais dos planetas (jyoti) sobre nossas vidas. O Senhor Sri Krishna explica no Bhagavad-Gita que nada no universo pode estar livre da influencia dos três modos da natureza material. Certos planetas, portanto, são considerados como sattva (bondade), outros como rajas (paixão) e ainda outros como tamas (ignorância).

699 JYOTISHA SHASTRA

Dependendo de nossas atividades e desejos de vidas passadas (karma), os controladores do universo, semideuses, (Daiva) que são os assistentes do Senhor Supremo e estão observando (netrena) nossos atos, nos fazem obter um corpo particular num local particular e num momento particular para que continuemos com nosso desenvolvimento no caminho da jornada de nossa alma. Por isso é dito no Srimad Bhagavatam que nossa seguinte condição de vida, na no próximo nascimento, depende de karmanam daiva netrena, a observação dos Devas, administradores do Universo. No momento e local particulares em que nascemos, uma configuração planetária está formada no zodíaco. Ela mostrará nossas inclinações durante o resto de nossa vida. A própria palavra “inclinações” indica que não somos necessariamente “forçados”, mas que teremos sempre uma tendência a reagir de determinada forma enquanto estivermos nesse corpo em particular. Srila Hridayananda Maharaja dá o exemplo da pessoa que empreende uma viagem aérea. Uma vez que ela entrou no avião e este decolou, não pode mudar de rumo ou destino, mesmo que tenha decidido durante o vôo pelas influencias de diferentes fatores e associações. Ela tem que esperar a que o avião pouse em terra firme para efetivar o desejo que cultivou durante a sua viagem de ir para um outro local ou destino.

698 JYOTISHA SHASTRA

Similarmente, durante a vida desenvolvemos um determinado tipo de consciência, e esta se manifesta na forma de pensar, desejar e sentir. Enquanto experimentamos esses estados de consciência, preparando-nos assim para o nosso próximo nascimento em um corpo, local e horário específico fornecidos pelos semideuses que estão observando esse desenvolvimento pessoal, temos atitudes particulares e formas de reagir a diferentes estímulos em diferentes áreas de experiência, como o lar, os amigos, o dinheiro, a profissão, etc.. Isso é o que o mapa astrológico revela, tanto nossas atitudes e reações como as experiências em diversas esferas da vida.

697 JYOTISHA SHASTRA

E um ponto de consenso entre astrólogos tanto védicos como ocidentais, que as nossas atitudes ou reações psicológicas são delineadas mais claramente pelo conhecimento da astrologia ocidental, enquanto que as experiências karmáticas nas diferentes esferas da vida (família, dinheiro, filhos, profissão, etc..) podem ser previstas com mais eficiência pelo conhecimento da astrologia védica.

696 JYOTISHA SHASTRA

Pode surgir aqui a dúvida sobre a diferença entre as duas astrologias desde o ponto de vista astronômico. Falemos algo nesta lição sobre os pontos em comum assim como as diferenças entre estas 2 ciências. Como Srila Prabhupada explica no Srimad Bhagavatam, Segundo Canto (no Catuh Sloki) existem 4 elementos que permeiam tudo o que existe dentro do universo e ao mesmo tempo permanecem fora dos corpos criados. Estes elementos são: Terra, Água, Fogo e Ar. Eles formam todos os corpos de todos os seres, e ao mesmo tempo permanecem no Éter do universo. Desde o começo do pensamento filosófico se tentou compreender a influencia destes elementos e seu rol na criação do Cosmos. Inclusive, os primeiros filósofos ocidentais receberam o nome de “filósofos dos elementos”. Esta compreensão é necessária porque a influencia destes elementos é seriamente estudada por todos os astrólogos. O corpo é chamado de microcosmos e o universo de macrocosmos, e isto é devido a relação que existe entre os componentes de ambos, ou seja, entre os elementos, e devido às leis de atração dos elementos no corpo com o elemento correspondente no cosmos.

695 JYOTISHA SHASTRA

Agora, como se estuda esta relação entre o macro e o microcosmos? Para isso temos que nos referir ao Zodíaco. Este é comparado a um círculo, uma faixa circular dentro da qual transitam os planetas de nosso sistema solar. Esta faixa ou círculo de 360 graus é dividida em 12 seções, cada uma de 30 graus. Estas correspondem aos 12 signos, que são constelações fixas de estrelas no Cosmos.que formam formas conhecidas como Áries ( o carneiro), Touro (o touro), Gêmeos (os 2 gêmeos) e assim por diante.

694 JYOTISHA SHASTRA

Desde o princípio da observação realizada pelos astrólogos, tanto ocidentais quanto védicos, chegou-se ao consenso que 3 destes signos representam e transmitem as qualidades do elemento Fogo, 3 transmitem as qualidades do elemento Terra, 3 do elemento Ar e 3 do elemento Água. Assim, os 12 signos que formam o zodíaco e rodeiam todas as existências de nosso sistema solar, mantêm uma relação com as variedades de corpos e formas dentro deste que estão constituídas pelos mesmos elementos. E o momento do nascimento revela quais elementos são mais predominantes ou influentes nessa pessoa em particular, considerando diferentes planetas pessoais e seus posicionamentos no zodíaco. Desta maneira, os planetas transmitem as qualidades dos elementos para seus receptores, os corpos materiais.

sábado, 12 de julho de 2008

693 BRÓCOLIS

EXTRATO DE BRÓCOLIS PROTEGE A PELE CONTRA OS EFEITOS DOS RAIOS ULTRAVIOLETAS
Teste feito nos Estados Unidos mostrou potencial para reduzir vermelhidão. Substância da planta protege células contra reações químicas nocivas.
Parece uma daquelas dicas de saúde do tempo da vovó, mas esta tem o apoio irrestrito da ciência: o extrato de brócolis é um santo remédio contra queimaduras produzidas pelos raios ultravioleta do Sol. Um estudo coordenado por Paul Talalay, da prestigiosa Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, comprovou essa capacidade ao aplicar o emplastro em cobaias e pessoas com vermelhidão na pele.

692 BRÓCOLIS

O estudo está na edição desta semana da revista científica americana "PNAS". Na pesquisa, Talalay e seus colegas investigaram os efeitos protetores do sulforafano, substância presente em abundância nos brotos de brócolis com três dias de vida.

Já se sabia que essa molécula tem atividade antioxidante, impedindo a ação de substâncias que danificam os componentes das células. Já a radiação ultravioleta do Sol costuma ter o efeito oposto, danificando diretamente o DNA celular, estimulando o aparecimento de moléculas altamente reativas que bagunçam a química do organismo e diminuindo a ação do sistema de defesa do corpo.

691 BRÓCOLIS

Em testes feitos em camundongos e depois em seres humanos (três homens e três mulheres que se voluntariaram para a pesquisa), os pesquisadores verificaram efeitos muito positivos do extrato: diminui a inflamação causada pelas queimaduras, bem como a vermelhidão -- para ser mais exato, em 40%.

No futuro próximo, os pesquisadores estimam que será possível levar esse conhecimento para o uso clínico, impedindo, pelo menos em parte, as piores conseqüências da radiação ultravioleta, como o câncer de pele.

690 BRÓCOLIS

BRÓCOLIS AJUDA NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE PRÓSTATA

O estudo sugere que o consumo de brócolis interage com o genótipo GSTM1 e resulta em modificações em caminhos associados à inflamação e à carcinogênese na próstata. O brócolis produz mudanças na produção de proteínas chamadas fatores de crescimento, como o TGF Beta 1 e o EGF. Esta produção é desencadeada por certos genes. Os fatores de crescimento estimulam a divisão celular que desempenha um papel importante na evolução do câncer.

689 BRÓCOLIS

Ao longo de um ano, dois grupos de homens considerados sob risco de desenvolver câncer de próstata comeram ou 400 gramas de brócolis ou 400 gramas de ervilhas por semana, além de sua dieta normal. Amostras de tecidos foram retiradas de suas próstatas aos seis meses da experiência e por ocasião de sua conclusão. Foi monitorada a atividade de vários genes.

No caso dos homens que comeram brócolis, a análise dessas amostras mostrou alteração na produção de fatores de crescimento como o TGF beta 1 e o EGF, assim como do hormônioinsulina (também associado à evolução do câncer de próstata e outros tumores).

688 BRÓCOLIS

Estudos anteriores já haviam demonstrado que dietas ricas em vegetais da família dos crucíferos, como brócolis, couve-flor, repolho e agrião, podem reduzir o risco de câncer. Mas este é o primeiro estudo com seres humanos que dá evidências experimentais de que dietas ricas em vegetais crucíferos podem reduzir o risco de câncer na próstata, segundo Richard Mithen, coordenador do estudo e biólogo do Instituto Pesquisas sobre Alimentos.

Por enquanto, o cientista aconselha a ingestão de duas a três porções destes vegetais por semana.

Fonte: PLoS ONE em 2 de julho de 2008

687 EVERTON

Dia 17 de fevereiro de 1986, tinha eu 18 anos, fluzão tricampeão carioca, fui ao quartel do CPOR em São Cristóvão, finalmente saberia se escaparia do serviço militar... vim direto de São Pedro D'Aldeia e esperava voltar no mesmo dia ... quando o Sargento Crisógonos, me falou: "seu número é meia oito sete, não esqueça esse número" ... eu pensei: "ok... daqui a pouco esquecerei"... pois é, fui obrigado a servir ao exército e nunca me esqueci: "687 Everton, Aluno do CPOR/RJ"... 687 é o número de dias em um ano em Marte O Serviço Militar representou um Ano Marciano na minha vida coisas de quem tem um Marte em Escorpião "Disciplina é Liberdade"

686 WELCOME

namastê

685 ENTREVISTA COM CLARICE NOVAES

Clarice ingressou na ex-Universidade do Brasil em 1963, curso de Ciências Sociais da Faculdade Nacional de Filosofia, no Rio de Janeiro. Participou do Programa Nacional de Alfabetização do Ministério da Educação, tendo sido treinada pelo Prof. Paulo Freire. Viveu no México em 1964.

Nos Estados Unidos em 1965, ingressou na Temple University, formando-se em Psicologia em 1969. Fez Mestrado em Antropologia Social na New School for Social Research, obtendo o grau de Mestre em 1977. Foi professora de antropologia no Instituto de Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro, de 1979 a 2000. Obteve o grau de doutor em Antropologia Social pela University of Texas at Austin, em 1987, com bolsa de doutorado pelo CNPq. Publicou os livros: Jurema´s Children in the Forest of Spirits: ritual and healing among two Brazilian indigenous groups (Londres: Intermediate Technologies Publications, 1997) e As muitas faces da Jurema: de espécie botânica à divindade afro-indígena, com Ulysses Paulino de Albuquerque (Recife: Bagaço,2002). Tem vários artigos publicados em livros e periódicos. É também ex-presidente da Associação Nação de Jurema.

clarice@infonet.com.br

684 ENTREVISTA COM CLARICE NOVAES

Léo: Você poderia dar um breve relato da sua busca espiritual até chegar na Jurema ?

Clarice: Tudo começou com Michael Harner e a Transamazônica! Eu era estudante de antropologia na New School For Social Research, em Nova York, e o Michael era meu professor. Eu estava fora do Brasil há quase 11 anos e me preocupavam as noticias sobre os desmatamentos da Amazônia e a conseqüência para com os indígenas da região. Harner começava a falar sobre xamanismo, mas ainda ligado a sua formação antropológica, e ele me incentivava a procurar plantas psicoativas quando fosse fazer a minha pesquisa.

A princípio eu ia para a Amazônia, cheguei a contatar a FUNAI sobre ir aos Maku, no Alto Rio Negro, mas meu pai, que era sergipano, me instava a que trabalhasse com indígenas nordestinos. Ora, isso era o fim dos anos setenta, e praticamente ninguém no Brasil pensava em trabalhar com indígenas nordestinos porque nem se acreditava que existissem, ou não eram considerados como indígenas. Acabei assentindo e fui parar entre os Kariri Xocó. Harner ficou insistindo que eu procurasse saber qual era a planta mágica que eles usavam, pois assegurava que praticamente todas as nações indígenas usam princípios xamânicos e a ligação com uma realidade extraordinária através de uma ou várias plantas. Então, veja bem, eu fui fazer o trabalho não exatamente numa busca espiritual, mas como pesquisadora. Terminou, e claro, me afetando em termos de meus valores e crenças.

683 ENTREVISTA COM CLARICE NOVAES

Léo: Como foi seu primeiro contato com Mamãe Jurema ?

Clarice: Em 1984, eu estava pesquisando sobre a Jurema, ou seja, sobre o uso de plantas medicinais em geral, junto aos Kariri-Xocó, e o pajé Francisco Suíra, falecido em 1990, me contava sobre a magia da Jurema entre eles, explicando sobre o segredo indígena em torno do uso da Jurema, já que ela era a planta mágica que os ajudava a encarar sua vida como índios contemporâneos e a seguir adiante com dignidade e poder. Pedi-lhe que me deixasse tomar a jurema e ele, a princípio, disse que não, que eu não estava preparada, que era uma força maior do que a que eu poderia tolerar. Não insisti, mas um dia ele me chamou a noite, na casa de um companheiro seu, que morava na cidade de Colégio, não na aldeia.

Quando entrei, senti um cheiro pungente no ar, misturado a cheiro de mato queimado, de fumaça, etc. Ele me disse que estavam preparando a jurema para eu tomar, assim, a queima-roupa. Falou que era uma poção "Especial" porque eu já estava aprendendo bastante. Felizmente eu não tinha jantado, pois ele me disse que era melhor tomar com estomago vazio. Não fizeram nada diferente, não cantaram, nem armaram nada, mas o pote estava na cozinha, ele disse que há dois dias estavam cozinhando aquela jurema pra mim.

Perguntei como tinha sido preparada, e como sempre, ele foi misterioso, dizendo muito laconicamente que as cascas da raiz tinham sido cozinhadas por três dias, não tinha mistura nenhuma. Eram só as cascas. Eu já tinha lido que sem misturar com outra coisa, a DMT não faria efeito, então relaxei. Por outro lado, eu tinha muita confiança em seu Francisquinho, o pajé, e sabia que ele não me poria em nenhuma situação de perigo. Ficamos em silencio durante algum tempo, e eu comecei a sentir um torpor agradável, de quem pode esperar a vida inteira por algo muito bom, muito profundo, sem mágoa, sem aflição, sem medo, sentia-me leve, isto antes de tomar a bebida.

Seu Francisquinho disse que "a fada da planta" estava ali entre nós. Quando me trouxeram o chá, foi num copo comum, como copo de café. A bebida já estava quase fria, era muito amarga, mas sem nenhum gosto especial. Todos me olhavam com um sorrisinho entre os lábios, eram uns 3 velhos, mas eu só conhecia seu Francisquinho e seu Pinto Neco, o "sogro" dele, que não era indígena, mas entendia muito sobre plantas medicinais e magia. Lembro-me de que não senti nada do que esperava, não fiquei sonolenta, nem entrei declaradamente em transe, nem vi imagens. Era tudo muito tranqüilo, uma conversa entre amigos numa noite qualquer. O pajé me disse que eu tinha que ir pra casa me deitar. Fui.

Estava hospedada na casa do agente da FUNAI em Colégio. Dormi imediatamente um sono bastante pesado. Quando acordei sentia-me "quase" normal, digo quase porque eu sou em geral uma pessoa ansiosa, que quer fazer logo as coisas, descobrir logo tudo, seguir adiante, etc. Não sou muito paciente. Pois me acordei algo letárgica, e lembro de ter ficado olhando o rio São Francisco por um bom tempo, parada na beira do rio, na rua que leva à aldeia, sem fazer absolutamente nada, algo inédito pra mim. Tive a sensação de que vi uma sereia saindo das águas e comecei a rir de mim mesma.Eu tinha visto a mesma sereia uma noite a beira do rio Xingu, depois de fumar maconha. "Essa sereia me persegue", pensei. Mas era uma sensação boa, de quem faz uma descoberta inédita. De repente, eu soube o quão importante era a jurema pra eles. Soube, com uma certeza absoluta, que sem a jurema eles iriam acabar perdendo tudo, se destrilhando de seu destino indígena. Eu ouvia uma cantiga dentro do meu coração, algo que não consegui jamais decifrar ou reproduzir, realmente como se fosse o canto de uma sereia. Soube inclusive que eu jamais poderia passar adiante o canto, mesmo que pudesse reproduzi-lo, pois era algo muito profundo, muito recôndito, algo perdido pelos ancestrais, pois era um presente que eu recebia só pra mim, pra mais ninguém.

Quando reencontrei seu Francisquinho, ele me disse que dali por diante eu teria sonhos premonitórios, que minha visão ia se abrir e que um dia eu acabaria entendendo tudo sobre eles, sobre os índios, mas que era gradual.

682 ENTREVISTA COM CLARIE NOVAES

Léo: Gostaria que você me desse uma explicação sobre a mimosa hostilis, suas origens... quais as nações que a utilizam como sacramento espiritual?

Clarice: Bem, a Mimosa hostilis foi recentemente rebatizada como Mimosa tenueflora, é um arbusto endêmico das caatingas nordestinas, geralmente usado como alimento pelo gado solto nos pastos, mas tem sido usada como "a planta mágica" pelos nativos, desde o Rio Grande do Norte até Sergipe.

Praticamente todas as nações indígenas do nordeste a conhecem e usam. Há um bonito documentário feito pela Mercia Batista e Rachel Rocha intitulado "A cienciazinha Turká", na qual se vê a coleta, preparo e ritual de uso da Jurema entre os Turká. Os Fulniô também a usam constantemente, além dos Kariri-Xocó e Xocó (estes últimos em Sergipe). Foi isolado um alcalóide nas raízes da Mimosa h. e chamado de nigerina, um análogo do N, Ndimetiltriptamina, que é um alucinógeno, mas que só faz efeito se ingerido pelas vias respiratórias e não pelo trato digestivo. Se for ingerido como bebida, esta tem que ser misturada com outro composto para poder ser potencializado o efeito alucinógeno. A Yatra Silveira acha que o outro elemento é a Peganum harmala, uma erva que contém alkaloides beta-carbolino:Harmina, harmalina, tetra-hidroharmina, nas suas sementes. É uma planta de origem na Pérsia e na Índia, tendo sido usada como o Soma sagrado das gentes nativas daquelas regiões.

A Mimosa hostilis ou tenueflora é conhecida popularmente como Jurema negra, Jurema braba, Jurema de espinhos e Jurema de caboclo. Há outra planta também conhecida como Jurema, que é a Mimosa verrucosa. Os índios dizem que esta é a Jurema branca, "que não endoida", ou seja, não dá visões, mas acalma e alimenta a alma dos penitentes. Por alguma razão, por mim desconhecida, os Kariri-Xocó não têm tomado a Jurema nos seus últimos encontros no Ouricuri sagrado deles. Esta informação me foi passada pelo próprio pajé atual deles, assim como por um dos participantes.

681 ENTREVISTA COM CLARICE NOVAES

Léo: Você poderia falar algo sobre a utilização no Catimbó, na Umbanda...as diferenças de preparo ?

Clarice: Não sei sobre o Catimbó, mas sei que na Umbanda não se usa a Mimosa hostilis, e nem a verrucosa, fazem um tipo de beberagem que inclui cascas de abacaxi fermentada, pois a Jurema da Umbanda é nada mais que um personagem de cabocla, ou seja, um ser espiritual pertencente aos nativos brasileiros, onde o imaginário popular apresenta a Jurema como representação dos povos nativos. Geralmente, tanto na Umbanda como no Candomblé de Caboclo, a Jurema é associada com uma festa na qual se come e se bebe a comida dos "caboclos", mas não se toma nenhum enteógeno, pois é a batida dos atabaques e pontos de chamada que induzem ao transe.

680 ENTREVISTA COM CLARICE NOVAES

Léo: O que é a Associação Nação de Jurema ?

Clarice: A Associação de Jurema era uma ONG dirigida por mim, com sede em Aracaju, que se dedicava a realizar projetos e eventos culturais sobre os grupos indígenas nordestinos, principalmente os Xocó de Sergipe, e os Kariri-Xocó de Alagoas, para fomentar um maior entendimento sobre a vida e a cultura desses grupos, promovendo ações em prol dos mesmos. Tinha esse nome porque consideramos que esses grupos são "nações nativas" de seguidores da jurema ancestral. Não bebíamos, nem preparávamos a jurema, a única vez em que o fizemos foi numa reunião muito privada, sem público, com alguns membros da diretoria.

Fizemos duas grandes festas, quando os Kariri-Xocó vieram e dançaram seus torés para um bom público, venderam artesanato, etc. Também promovemos a participação dos Kariri-Xocó numa feira de Natal, onde eles venderam artesanato e remédios botânicos que estavam sendo produzidos na "farmácia viva" deles, um projeto que eu iniciei, com apoio do Banco Mundial e da Associação Nação de Jurema, mas que não têve sucesso, devido a vários fatores que não podem ser discutidos em pouco espaço de tempo. Conseguimos alguns apoios institucionais para os índios, com envio de cestas básicas em dois fim de ano, quando se distribuem cestas para as famílias carentes. Organizamos uma mostra fotográfica, em Aracaju, por três meses, chamada "O fio da memória indígena em Sergipe e Alagoas", que foi inaugurada com uma mesa-redonda da qual participou, entre outras pessoas, o pajé Kariri-Xocó.

Quando eu me mudei para Maceió, tentei dar continuidade ao nosso trabalho, mas em vão, era o tipo de organização, ou de pessoas associadas, que não prescinda da minha presença, infelizmente.

Portanto, não está mais operante, embora ainda tenha existência legal.

679 ENTREVISTA COM CLARICE NOVAES

Léo: O que mais você acha mais importante que o público do xamanismo saiba sobre seu trabalho? Como você vê, como antropóloga, esse resgate do xamanismo nos tempos atuais, assim como o uso de enteógenos. Clarice: Sobre meu trabalho? Sou apenas mais uma peregrina aqui nesse planeta tentando desvendar alguns mistérios que nos levem à paz e ao amor eterno. A questão da Jurema, que sempre tanto me fascina, assim como a muita gente,eu passei para as mãos de jovens antropólogos e cineastas, com sede de conhecimento e que estão levando esse trabalho de pesquisa e resgate da cultura indígena adiante. São eles agora que respondem a minhas inquietações sobre os usos da jurema.

Vou te responder à segunda pergunta não só como antropóloga, mas primeiramente como ser humano mesmo. Isto porque a visão do antropólogo às vezes faz a gente bloquear certos conceitos e idéias ancestrais, já que agente tem que ser "objetivo" e "científico".

A humanidade passa por um momento crucial no qual todo conhecimento ancestral que pode nos levar à cura do planeta terra é de importância fundamental. Portanto, o trabalho xamânico continua sendo aquele que, juntamente com outras correntes do pensamento que nos levam á consciência universal, ao espírito criador, pode nos ajudar a elevar as consciências humanas de tal forma que possamos salvar a terra e os seres que nela vivem.

Há um movimento dentro das comunidades nativas do mundo inteiro para que se mantenha viva a tradição milenar de cura espiritual e física, que possa atender às necessidades de salvação não só das comunidades, mas das pessoas que estão fora dela. Os nativos de várias nações estão tendo um maior interesse em passar informações até então secretas para pessoas de fora de sua comunidade, para os buscadores que têm uma intenção pura de aprender responsavelmente, passando essas tradições adiante da forma mais respeitosa possível.

As plantas sagradas, os enteógenos, têm um papel fundamental nisso, mas é preciso atentar bem para que esses milagres não sejam desperdiçados em mentes que só buscam seu próprio prazer ou que fogem da realidade, em vez de buscá-la com todo o coração. Pois vivemos em um mundo de ilusões, e os enteógenos não são para se viver ilusões maiores, mas para escapar delas e assim descobrir a sabedoria contida no não-dualismo.

Quando Jesus de Nazaré dizia que "a verdade te libertará" ele repetia um moto xamânico de grande antiguidade. Se eu for olhar, tanto como simplesmente ser Humano ou como profissional da antropologia, os diversos grupos, comunidades e pessoas que trabalham com o xamanismo aí é outra história.

Em todo movimento, há aqueles que são verdadeiros, que são responsáveis, que são dignos de confiança e os que buscam somente seu próprio prazer, satisfazer seus egos, seus desejos de poder, ou de sei lá mais o quê

É desses que tenho medo, pois podem atrapalhar em muito essa jornada de renascimento xamânico tão importante. Chagdud Tulku Rinpoche, o lama tibetano que trouxe sua linhagem para o Brasil, escreve algo que vou citar pois é disso exatamente que estou tratando.

Ao escrever sobre a necessidade que praticantes do budismo têm de encontrar um mestre, ele nos adverte contra alguns: "Aqueles que se fingem de mestres, enganando a si próprios e aos outros, têm tanto para manter sua fachada quanto o comprimento da cauda de um porquinho da Índia. Depois de um curto período, já não são tão convincentes.

Antes de aceitarmos alguém como nosso professor ou professora, precisamos examinar com cuidado as qualidades e capacidades dele ou dela. Embora um falso professor possa não ter intenções negativas, aceitar uma pessoa assim é como beber veneno." ("Portões da prática budista", p.264) Tenho visto coisas assim muito esdrúxulas acontecendo no meio de acontecimentos importantes do xamanismo universal. Tem gente realmente bebendo veneno e que estão impossibilitadas de absorver o sagrado. Estas coisas me preocupam, pois as pessoas deixam de vivenciar a clareza dos ensinamentos de quem tem a "intenção pura" para cair nas tramas sem sentido daqueles que buscam por fama, reconhecimento, e outros motivos essencialmente egocêntricos

quarta-feira, 2 de julho de 2008

678 LUA FORA DE CURSO

Nas datas abaixo, a Lua estará "fora de curso". Não é indicado iniciar nenhum empreendimento, nem marcar entrevistas, enfim, realizar nada importante pois os resultados esperados tendem a não ocorrer.

Portanto, evitem essas datas:

02 de JULHO 04:09 até 02 de JULHO 04:54

03/07 - 17:15 até 04/07 - 05:16

06/07 - 07:05 até 06/07 - 08:05

08/07 - 13:22 até 08/07 - 14:32

10/07 - 23:15 até 11/07 - 00:36

13/07 - 00:07 até 13/07 - 12:51

15/07 - 23:44 até 16/07 - 01:21

18/07 - 05:00 até 18/07 - 12:41

20/07 - 20:26 até 20/07 - 22:09

23/07 - 03:40 até 23/07 - 05:23

25/07 - 08:31 até 25/07 - 10:15

27/07 - 01:53 até 27/07 - 12:56

29/07 - 12:26 até 29/07 - 14:13

31/07 – 02:32 até 31/07 – 15:23

HORÁRIO PARA A CIDADE DO RIO DE JANEIRO.

PARA SABER DE SUA CIDADE:

evertonyod@yahoo.com.br