MAPA ASTRAL

segunda-feira, 30 de julho de 2007

31 AMMA NO RIO

QUEM É AMMA?
Mata Amritanandamayi Devi (Mãe da Eterna Felicidade, em sânscrito) ou apenas Amma (Mãe), como é carinhosamente chamada, veio ao mundo em 1953, no Estado de Kerala, sul da Índia. Quando nasceu, não chorou. Ao contrário, estampou um sorriso radiante. Começou a falar com apenas seis meses e, aos dois anos, já fazia orações e cantava em louvor a Krishna (uma das divindades mais importantes do panteão hindu). Filha de uma família de pescadores, aos dez anos largou os estudos para cuidar da casa e dos sete irmãos. Sua natureza espiritual inata chamava a atenção de todos. Frequentemente era encontrada em profunda meditação e repetindo o nome de Deus. Nesta época, começou a manifestar uma profunda necessidade de servir ao próximo, cuidando dos mais carentes em sua aldeia, mesmo pertencendo a uma família pobre. Na adolescência, seu amor por Deus e por toda a Criação atingiu as mais elevadas proporções, resultando numa intensa e transformadora união com o Supremo. Aos 20 anos, foi reconhecida como mahatma (grande alma) e, desde então, dedica sua vida a uma missão: servir à humanidade e despertar em seus seguidores o sentimento de amor e compaixão, pilares da verdadeira felicidade. No final dos anos 80, Amma iniciou turnês internacionais para levar sua mensagem ao Ocidente, por meio de encontros públicos. Estas viagens acontecem até hoje e atraem milhares de pessoas por onde passa. Considerada uma santa viva, Amma conquista cada vez mais seguidores em todo o mundo, através de ensinamentos simples e do exemplo de vida desta que é uma das maiores líderes espirituais que o mundo já conheceu. Na tradição milenar indiana, um santo ou um grande ser oferece sua bênção por meio de darshan, palavra em sânscrito que significa “presença divina”. Amma realiza este ritual através de um gesto que se transformou em sua marca: o abraço. Calcula-se que até hoje mais de 26 milhões de pessoas já foram abraçados por ela em todo o mundo. Com este verdadeiro exemplo de amor incondicional, Amma conforta a alma e alivia o sofrimento de todos que a procuram, independente de religião, raça, sexo ou posição social. As longas sessões de darshan costumam surpreender até os seguidores mais antigos. Amma muitas vezes chega a passar 20 horas ininterruptas abraçando milhares de pessoas que buscam seu darshan, sem demonstrar nenhum sinal de cansaço. “Quando existe amor, não existe esforço”, diz Amma.
Ao se observar o que ela faz, fica claro que não existe qualquer traço do que chamamos "vida pessoal". Dormindo apenas duas horas por dia, ela se torna uma incansável servente de todos, dedicando-se a remover o sofrimento humano. Sua forma de fazê-lo toma duas categorias: 1) Seus encontros públicos (Darshan - que toma forma de abraços). 2) E obras de caridade, com a finalidade de melhorar a qualidade de vida de qualquer um, numa escala mais abrangente. Darshan Darshan é uma palavra em Sânscrito que significa encontro ou visão de Deus ou de pessoa santa. Na tradição Indiana, darshan consiste apenas em "assistir" ou "ver", significando a benção de uma pessoa santa. Numa mudança radical de costume, o darshan da Amma é único na história, recebendo e abraçando afetuosamente milhares de pessoas de uma vez. Ela é um exemplo de humildade e amor incondicional, que conforta e alivia o sofrimento das pessoas e responde suas questões sobre a vida, saúde e espiritualidade. Seu amor divino transforma vidas. Ela se põe à disposição de todos que queiram receber seu abraço. Nunca é cobrado nada e ninguém fica sem receber seu abraço. Hora após hora, dia após dia, ano após ano, ela recebe todos da mesma forma amorosa, independente da religião ou crença, raça ou posição social de cada um. Mesmo quando jovem, as perigrinações vinham de toda Índia para vê-la. Sua popularidade tem aumentado constantemente; acredita-se que ela abraçou cerca de 18.000 pessoas de uma vez, levando mais de 20 horas. Ela passa quase metade do ano na Índia (Amritapuri é o lugar onde nasceu e também onde foi fundada a Missão, que fica às margens do Oceano Índico). Do contrário, pode-se encontrá-la por toda a Índia, ou ao redor do mundo, onde tem sido convidada cada vez mais para distribuir o seu Darshan. Timothy Convay, PhD, autor do livro "Women of Power and Grace" e especialista em personalidads santas, descreveu a Amma como "Uma das mais gloriosas luzes que apareceu na história da religião. Sua disposição em abraçar milhares de pessoas, uma por uma, dia após dia, sem pausa, por todo mundo é uma dádiva divina - somente o recurso humano não pode atingir isto."
A outra forma com que Amma serve à humanidade é através do desenvolvimento de instituições de caridade sem fins lucrativos, administradas pela Missão Mata Amritanandamayi Trust. Ensinando através do exemplo de sua própria vida, Amma mescla a consciência espiritual com a prática do serviço social. "Compaixão pelo necessitado é um dever a Deus," ela diz, encorajando aspirantes espirituais a se envolver com trabalhos abnegados, "se você faz práticas espirituais sem agir abnegadamente, será como construir uma casa sem portas."
De acordo com isto, ela começou uma exaustiva lista de instituições em duas categorias:
1) Direta assistência ao carente;
2) Instalacões educacionais destinadas a ajudar os desprivilegiados. Este segundo inclui escolas primárias, secundárias, vocacionais, técnicas e superior, que vão dos mais básicos ensinos para grupos tribais até o mais avançado certificado técnico e superior. Já a assistência direta inclui um programa de construção de 25.000 casas para famílias desamparadas, e este projeto acaba de ser extendido às vítimas do terrível terremoto de 2001, em Gurajat, onde 3 das 20 cidades – que foram totalmente destruídas – foram "adotadas" pela Missão. Existem também abrigos para mulheres abandonadas, pensão para viúvas, orfanatos, clínicas e hospitais, somente para citar alguns. O mais ambicioso dos projetos é o "Instituto de Ciências Médicas Amrita" (AIMS), com mais de 1000 leitos e que oferece os mais modernos tratamentos, incluindo cirurgia de coração, neurologia e transplante de órgãos - todos gratuitamente. "O mundo hoje precisa de uma prova sólida de que nossos valores humanos são úteis." Disse o Primeiro Ministro da Índia Attal Vajpayee, na inauguração do AIMS. "O trabalho da Amma no campo da espiritualidade, como também no serviço social, nos dá a garantia que tantos precisamos."
Nascida em 1953, como filha de pescadores, Amma tem observado a chamada interior de ajudar o próximo desde sua infância. Na idade de 10 anos, sua educação escolar chegou ao fim quando ela ficou responsável por todas as tarefas domésticas, que incluia o cuidado dos irmãos e irmãs e também das vacas da família. Em soma ao seu árduo trabalho, ela ajudava os idosos, necessitados e doentes de seu vilarejo. Estas tarefas eram feitas sem reclamação, muitas vezes completamente absorta na reverência por Deus. Muitos dos aldeões a viam como uma menina maluca devido ao fato dela cantar músicas de adoração enquanto trabalhava, o que a fazia mergulhar em profundos estados de bem-aventurança. Como uma jovem sábia, ela nunca recebeu instrução formal de um Mestre Espiritual. Nunca sequer leu livros ou estudou filosofia. Mesmo assim, sua inigualável santidade e profunda sabedoria parece ter sido acesa pelas suas práticas de devoção e lembrança de Deus. "Desde de infância eu tinha um profundo e intenso amor pelos Nomes Sagrados. Eu repetia o Nome do Senhor incessantemente com cada respiração; e uma constante corrente de pensamentos divinos era deixada em minha mente." Entendendo o sofrimento e a necessidade Mesmo sendo de família pobre, sua compaixão para os que eram ainda mais necessitados plantou uma semente, que com o tempo tornou-se sua Missão Espiritual. Por exemplo: ela tirava porções de comida do já escaço estoque de sua casa e discretamente distribuia para famílias famintas. Diz-se que uma vez, ela pegou a única jóia de sua mãe e deu para uma família que estava passando fome há algum tempo. Quando foi descoberta, seu pai a amarrou numa árvore e a chicoteou até sangrar. Sobre estes dias, Amma diz que por ter visto tanta miséria e sofrimento em sua volta, ela se aprofundou em entender a natureza destas condições. Logicamente, sabe-se que todo problema tem solução, porém ela percebeu que o sofrimento humano está profundamente enraizado na falta de amor. Numa idade bem jovem, já estava determinada a tornar-se parte da solução, oferecento a sua vida, completamente, como expressão do Divino Amor.
Já na adolescência, sua reputação trouxe oposição. Ela começou a atrair enormes quantidades de pessoas, que queriam testemunhar seu estado divino de identificação com Deus e receber seu abraço-darshan. Como faz até hoje, Amma consola seus visitantes, embalando-os em seus braços, ouvindo seus problemas (espirituais ou não), gentilmente acariciando suas costas e muitas vezes sussurrando palavras de conforto em seus ouvidos. Apesar da grande admiração que recebia naquela época, ela teve que confrontar uma sociedade tradicionalista, incluindo os membros de sua própria família, que condenaram radicalmente a sua atitude de abraçar qualquer um incondicionalmente - principalmente por ser uma jovem mulher. As pessoas jogavam pedras nela, tentaram envenená-la, até mesmo esfaquiá-la até a morte, mas ela nunca se desviou de seu propósito. Com o passar do tempo, seus oponentes tornaram-se seus seguidores. Seus próprios pais e familiares a vêem cada vez menos como parte da famíla e cada vez mais como uma Grande Mestra Espiritual.
No final da decada de 70, alguns buscadores sinceros, vindos de toda parte da Índia e também do Ocidente, descobriram-na em seus caminhos. Na humilde propriedade dos pais dela, um pequeno heremitério começou a surgir, constituindo-se de um pequeno templo e uma choça, que servia de abrigo. Hoje, o Ashram mantém mais de 1000 residentes-renunciantes (antes de se tornarem monges). Amma diz que a maior benção que um aspirante espiritual pode ter é a glória da divindade interior. "O homem que despertou, resolve todos os seus problemas por ele mesmo e se torna uma benção para a sociedade."
Ao ser convidada pelos ocidentais, Amma viajou primeiramente aos EUA e Europa em 1987. Naquela época, como ela era conhecida apenas por um grupo pequeno de espiritualistas, seus darshans enchiam apenas uma sala-de-estar de cada vez, atraindo apenas uma centena de pessoas. No entanto, como resultado da palavra levada de boca-em-boca, o número de pessoas foi aumentando a cada ano, reunindo milhares de pessoas em cada cidade. Num típico programa, Amma irá dar palestra (satsang), depois conduzirá cânticos devocionais (bhajans) com um talentoso grupo de monges (swamis). Ao concluir as músicas, seguidas de orações, ela irá sentar-se hora após hora e receber as pessoas até as primeiras horas da manhã do dia seguinte para dar o seu darshan. Todos aqueles que querem receber seu darshan, recebem um número de acordo com a ordem de chegada. Durante o curso da noite um placar avisa a centena que pode entrar na fila para receber sua benção, deixando que o restante das pessoas fiquem livres para circular na livraria, comer algo, meditar ou apenas assistir o darshan. Durante a noite, enquanto o númeno de darshans aumenta, torna-se inspirador e emocionante ver como a energia da Amma se mantém - não demonstrando nenhum sinal de cansaço. Amma nunca deixa o local sem que a última pessoa receba seu abraço-darshan. No meio tempo, ela mantém um radiante sorriso, abraçando amorosamente uma pessoa atrás da outra. Com cada abraço e sorriso, uma faísca de sua energia divina é obviamente passada a diante.
E assim, a pergunta original permanece: "Quem é Amma?"

Nenhum comentário: